Amamentação Blogagem Coletiva Mães Internacionais Pretensões e Desabafos

Blogagem Coletiva: A Amamentação e a Irlanda

A blogagem coletiva do Mães Internacionais desse mês é sobre a a amamentação em diferentes partes do mundo.

Eu, com um bebê de seis dias em casa, não iria participar. No entanto, assim como quando o tema era licença maternidade, me encontro no olho do furacão. E pela primeira vez desde o início do projeto, saio da teoria para a prática. Conhecendo um pouco das outras mães internacionais sei que por aqui você vai ler relatos apaixonados de quem amamenta ou amamentou e de quem optou (ou não teve escolha) não amamentar. Ou ainda de quem pretende ou não fazê-lo. Mas acho que ninguém mais além de mim nesse momento pode dar uma opinião de tentante.

Pois é, estou tentando amamentar. E não, não tem sido fácil.

Aqui na Irlanda existe uma forte campanha de incentivo à amamentação. Eu diria até que há uma certa pressão, desde o pré-natal, para que as mães escolham esse caminho. O sistema público de saúde vem tentando a todo custo mudar o fato de que  o país tem um baixo indíce de aleitamento materno.

Em optei por tentar por causa dos benefícios que isso pode trazer para o meu filho (e para mim também). Com todo o respeito a quem faz diferente, eu achei que seria um pouco egoísta da minha parte  (já que não tenho outros filhos e tenho todo o suporte de membros da família para me ajudar com as outras tarefas) não tentar pelo menos.

A minha experiência começou assim que que meu filho nasceu, já que ele veio direto para o meu peito. Depois de algum tempo, com a ajuda da parteira, conseguimos fazer com que ele mamasse. Eram 6 horas da tarde e me aconselharam a alimentá-lo novamente em 4 horas. Naquela primeira noite consegui sozinha fazer com que ele pegasse direito no peito, mas levou pelo menos uma hora antes de cada mamada.

No dia seguinte, de novo com ajuda das parteiras/enfermeiras, o processo foi ficando mais fácil e tanto ele quanto eu aprendemos a nos posicionar de maneira correta. Apesar de algumas dores nos seios, achei que não teria grandes problemas.

No entanto em casa as coisas ficaram mais difíceis. Primeiro pelo cansaço físico. Amamentar requer que eu esteja acordada com ele boa parte do dia (e a noite inteira praticamente). Tendo passado por um parto normal (precedido por uma noite inteira praticamente em claro e por duas noites no hospital sozinha com o bebê), ainda me recuparando da episiostomia que me rendeu alguns pontos, e com os seios doloridos (e bem pesados), pés inchados, cheguei a achar a coisa toda quase desumana.

Em segundo lugar, E. precisa ser alimentado a cada duas horas, as vezes em intervalos menores. Cada mamada leva no mínimo 1 hora e meia. Isso porque ele adormece mamando, tem que ser acordado e começar tudo de novo. Durante a noite, ele praticamente ou está no meu peito, ou está chorando.

Confesso, cheguei a chorar também. Cheguei a pensar em desisitir. Achei que o fato de ele querer mamar tão frequentemente era sinal de que eu não tinha leite suficiente. Não fosse o fato de receber visitias diárias de uma parteira me assegurando que não estou fazendo nada de errado, já teria aderido as mamadeiras.

Por isso ao invés de dizer que estou amamentando, prefiro dizer que estou tentando. Dizem que após algumas semanas as coisas melhoram, e até lá eu espero aguentar firme.

Caso contrário, posso sempre dizer que fiz o meu melhor.

N,

Esse post faz parte de um projeto de blogagem coletiva. Para saber mais sobre a experiência de outras mães, em diferentes países, clique aqui.

 

18 Comments

39 anos; brasileira que mora na Irlanda; mãe de um filhote de irlandês do cabelo vermelho e muito fogo na bunda, de uma pimentinha de olhos grandes e curiosos e de uma caçulinha que é só sorrisos.

Previous Post
April 19, 2011
Next Post
April 19, 2011

18 Comments

  • carol p

    Nivea,
    te entendo perfeitamente, eh dificl mesmo, vendem como a coisa mais facil e natural. eu tentei demais amamentar e passei dos meus limites, entao faca o que vc pode, a formula existe para isso para alimentar o bebe.
    aos poucos as coisas vao de ajeitando.
    cute cute o erik
    bj Carol

  • DanyGouveia

    Eu pensei em desistir varias vezes por conta da dor e das feridas que eu tive por nao ter “bico”, chorava de tanta dor e a Bella sempre super faminta, ai acabei optando pelo bico de silicone nos seios e pela pomada para cicatrizar e aliviar a dor e la pelo 2 mes eu consegui tirar o bico de silicone e hoje esta tudo bem…
    Mas pense que caso venha a desistir da amamentacao isso nao te fara menos mae, pelo contrario cada um sabe do seu limite (fisico e psicologico) e o horario da amamentacao tem de se tornar depois de acostumarmos, uma hora prazerosa, seja no peito ou na mamadeira =)

    Bjkas em vcs

  • Mi

    todo começo é duro…o mais importante é tentar! aposto que daqui ha alguns dias vcs vao se acostumar um ao outro e vai dar certo sem problemas! boa sorte e bjs!

  • ka smith

    Amiga, é assim mesmo!
    Espero que tudo dê certo pra vcs dois, seja como for, o importante é o Erik de barriguinha cheia, feliz e forte e uma mãe inteira, é claro!

    beijos

  • Daniela

    Nivea, existe um bico de silicone q me ajudou mt nesse inicio mais duro e tb uma pomada da Avent q ajuda bastante e nao precisa tirar quando o bb vai mamar.
    Isso é so agora, em breve vai passar e vcs vao so se deleitar dos beneficios, vale a pena. Nao ha nada melhor do q ter o leitinho no peito na temperatura certa p alimentar o bb na hora q ele chora. Imagina a trabalheira de lavar, esterilizar, ferver a agua, fazer a formula..so de pensar me estressa.

    Um beijo!

  • Paula

    Nivea

    No comeco nao é tao facil nao. A gente acha que a coisa flui naturalmente mas eles tem que aprender ( pelo menos comigo foi assim) é muuuuito cansativo vc tem razao, mas nao desista, e se vc realmente nao conseguir nao se culpe. Eu tbm chorei muuuuito nos primeiros dias é normal tbm. Nao se sinta só nem diferente.O bico de silicone ajuda muito, pomadinha entre as mamadas tbm mas logo logo ele pega o jeito eo seio ja acostuma tbm. Beijos e muita forca!

  • Neda

    Nivea, infelizmente todos dão a entender que é fácil e natural. Não é! As duas partes estão aprendendo. O que vai ser melhor para vocês só o tempo dirá, o que posso fazer para te ajudar é contar o que me ajudou. Antes de mais nada o apoio, principalmente do pai, que entendeu que para mim era importante e nos momentos mais cansativos estava ao meu lado, ficava cochilando no chão do quarto do bebê para depois me ajudar a sair da cadeira. Eu além da episio tive uma laceração que quase me manda pra lista de transplante e qualquer movimento no assoalho pelvico me fazia ver estrelas. O que aliviava era sentar numa almofada bem macia, hoje penso que deveria ter partido para uma almofada de hemorroidas mesmo. Com o tempo encontrei uma posição para amamentar deitada e aproveitava para descansar o corpo e cochilar um pouco e mais de uma vez caí no sono na cadeira mesmo (por sorte o BB nunca caiu) quando me recuperei dos pontos comecei a usar a boa e velha rede, ai era uma maravilha … dormia sem preocupações e o Guilherme tinha o alimento ao alcance da boca. No começo, quando os peitos estavam bem doloridos, eu ia pro chuveiro e deixava a água morna correr para aliviar, depois dava de mamar. Quando rachou eu passei a usar o proprio leite para cicatrizar e deixava secar ao ar livre. Mais de uma pessoa me disse que a rachadura é causada pela saliva do bebê e por isso é importante que o seio este seco antes de vestir o sutian e a roupa. No mercado há várias pomadas para isso também, na época elas não cabiam no meu orçamento.
    No mais é ter paciência e manter a calma, a adrenalina também atrapalha a produção de leite. A escolha que você tomar vai ser com certeza com muito amor.
    Bjs

  • Cris

    Flor, a coisa é difícil mesmo… Lembro da noite fiquei sentada na cama das 00:00 hrs até as 4 hrs da manhã com o Gabriel mamando e eu CHORANDO horrores… depois de muitas tentativas em vão ele foi pra mamadeira com um mês e meio e nem por isso fui menos mãe dele mto pelo contrário… ele passou a dormir melhor, eu tbm e assim tinha mais disposição pra cuidar dele e de mim tbm!!!
    Faça o que der mas mas não se sacrifique ao estremo… se ver que realmente não rola opte pela fórmula, afinal se fosse tão ruim elas não existiriam né??

    BJOUXXX e o Erik é o anjinho mais fofo que vi nos últimos tempos!!!

  • Claudia Storvik

    Nivea, parabens pelo nascimento do Erik!! E boa sorte com a amamentacao. Bjs.

  • Luciana

    Oi Nivea, nossa, lendo o teu post e os comentarios, voltei no tempo e me vi 2 meses atras. Parece pouco, mas na dimensao entre um RN e um bebe de 2 meses, eh bastante, principalmente pq eu sei qta coisa mudou e muda sempre. No comeco eu sofri mto tambem, de mta dor. Nos primeiros dias eram os pontos da episio, se o uri chorasse e eu achava q era fome, queria chorar tbem, pensando “ai, nao, vai doeeerr”. Eu nao conseguia ficar sentada, so deitada ou em pe, e tira-lo do moises a noite era um sacrificio. Fora o q doiam os seios. Ele chupava e eu me contorcia de dor.

    Vc nao vai acreditar hj, como eu nao acreditei, mas passa. Nao sei como nem pq, mas passa sim. Eu ainda nao vivo de amores com a amamentacao, mas te digo q esta td MUITO mais facil.

    Beijos e boa sorte!

  • Carine S.

    Nivea, sei que quase todas ja disseram, mas o fato de ser natural e normal amamentar é verdade, mas o primeiro mês é uma galera mesmo! Tudo o que vc descreveu cansaço, dores no peito, bebê passa horas no peito é super normal. Eu acho que o nosso maior problema nos dias de hoje, contrariamente a certas culturas, nos moramos longe de pessoas que poderiam nos ajudar com a casa e com o bebê. Nao é facil ter que enfrentar tudo isto sozinha, principalmente morando longe do Brasil. Você lembra que sempre nos falam da tal quarentena, é isso, a gente so entra no ritmo com o bebê a partir do seu segundo mês. Até la, peça ajuda e muita ajuda, se puder claro:). beijao

  • Veneranda

    Nivea,

    Eu sempre costumo brincar com as marinheiras de primeira viagem com a seguinte frase: “Calma. Lembre-se que ele nunca mamou e você nunca amamentou. Portanto, ambos estão no mesmo barco!”
    Vai dar tudo certo. Seja qual for o caminho que você tomar. Eu fico na torcida pelo aleitamento materno. Por todos os benefícios e etc, etc. Mas, principalmente, por saber que passado as dores e as batalhas do início, os próximos dias tendem a ser de uma afetividade sem tamanho.
    Vale à pena insistir. Eu só soube disso só com meu segundo filho. Com o primeiro não tive quem me orientasse e os palpites das avós que diziam que meu filho tinha fome, que meu leite era fraco, fizeram com que eu só amamentasse – muito mal, diga-se de passagem – por apenas 2 meses.
    Espero que tudo saia da melhor maneira possível pra você e para o seu filhotinho!
    Boa sorte e beijos no “ruivo” (É assim que a madrinha coruja mais fala dele! rs)

  • Carol

    Olha Nívea, eu amei amamentar, mas nem por isso acho que todo mundo tem, ainda mais se é um sofrimento… Acho maravilhoso vc estar se esforcando, mamaes posem ser tao fortes, nao é? Eu tb tirava forca de nao sei onde pra fazer as coisas… Mas esse negócio de acordar o nene e marcar o tempo de mamada eu nuuunca fiz, eu deixava mais solto e nao ficava sofrendo com isso, tacava ele no peito quando achava que ele estava ficando mais impaciente, mas as vezes deixava ele dormindo por horas, tipo 4 horas ate… Se ele está sem fome pra que acordar do soninho? Eu nao ia querer que me acordassem com um prato de comida… Claro, que se o nene tem que tomar cuidado coom o peso é outra coisa, mas o meu crescia e engordava assim e continuei. A médica perguntava de quantas em quantas horas ele mamava e eu sempre inventava… sei lá, tem hora que depois de 10 minutos ele quer denovo, tem hora que fica um tempao sem… tranquilo…
    Bom, esse foi o jeito que eu fiz, só estou compartilhando pra mostrar um lado diferente. A melhor arma de uma mamae é sua intuicao… vc já viu mae falahar nisso? Nao, nao falha. Entao faz o que manda seu coracaozinho que tudo da certo.
    Beijinhos e muita sorte!

  • IngridSouza

    Força querida, vai dar tudo certo, se for o caso tire o leite com a bombinha e passe a mamadeira pro I., nessa hora vc pode aproveitar pra descansar, tomar um bom banho ou simplesmente ficar quietinha no seu canto.
    Se a coisa apertar, vai pra fórmula!
    Recomendo as mamadeiras da Nuby ou Tommee Tippee o formato imita o peito e ao contrário das outras não deixa o bebe preguiçoso pois ele precisa sugar forte (como no seio) pra mamar. =)

    Beijocas e sucesso!

  • Clarinha

    Oi, Nívea. Acho que todas nós passamos um pouquinho pelo que vc está passando e um monte de gente passa receitas para aliviar as rachaduras, o estresse, etc. É bom para vc ter certeza de que não está só e o que pode funcionar para alguém pode, quem sabe, aliviar o peso pra vc também, não é? Mas, olha, é só o tempo MESMO que vai fazer tudo melhor do que agora. E melhora, não tenha dúvidas!! É difícil demaaaais o começo e acho que nenhuma mãe está realmente preparada, nem as que já passaram por isso. Enfim, força na peruca!
    E para engrossar sua lista de receitas do que fazer para melhorar os peitos, meu pai, que é médico em hospital público no Brasil, foi o único a me dar uma salvação para os meus seios rachados fazia já TRES longos meses. Já tinha me acostumado às feridas. Ele me indicou lavar os mamilos antes e depois das mamadas com soro fisiológico e só. Segundo ele, serve para limpar os seio do restinho de saliva e leite que se acumulam e podem gerar bactérias e fungos e assim piorar as feridas. Pra mim, funcionou.
    Beijão

  • ana paula

    Nivea,
    Acho que todas nos temos o começo da historia da amamentação. Não, não é facil. Mas posso te afirmar com toda segurança: se o pequeno Wiking esta fazendo a pega direitinho, vcs se adaptarão e as dores irão passar. Tive um probleminha no começo coma Béatrice. Ela demorava muito para mamar, uma media de uma hora para cada peito. Ela dormia, eu estimulava para mamar, e ela retornava em ritmo lento. Precisei de uma ajuda de uma profissional em aleitamento para explicar que esse era o jeito dela mamar, pois até então, eu dava o peito, ela dormia e eu tirava. Achava que ela estava satisfeita. So que, com isso, ela nunca chegava na gordirinha do leite e não engrenava no peso. Foi um sufoco. Mas passou
    O apoio do marido e ter essa pessoa por perto me ajudou a passar a fase inicial.
    Quanto as dores, respira fundo amiga. A adaptação leva, em media 15 a 20 dias.
    beijos e estou na torcida para : )

  • Carla

    Oi Nívea! Primeiramente, parabéns pela chegada do seu menino! Sei que estou atrasada, mas também estou com bebê novo e minhas leituras estão em atraso. Me identifiquei muito com seus últimos posts e é bom saber que não estou sozinha nesses desafios. Amamentar também está sendo muito mais cansativo do que imaginava e já cheguei a me perguntar se meu leite era fraco, porque meu bebê quer mamar constantemente, mas ele está crescendo super bem, entao quero acreditar que essa fase é passageira e logo tudo ficará mais fácil. Boa sorte para nós!

  • Nadja

    Sei que este post já foi há muito tempo, mas seu relato foi lindo e eu estou lendo tudo que você já escreveu no passado… conhecendo sua história.
    Minha prima também teve muito dificuldade em amamentar, a menina não conseguia puxar ou regurgitava e o leite dela secava rápido e vinha pouco. Mas acabou dando certo com muito esforço. Já a irmã dela, minha outra prima, não pode por causa de uma cirurgia de muitos anos antes. Não teve leite nenhum.

    Minha mãe deu a mim de mamar e a uma menina que uma moça adotou na cidade, eu tenho uma irmã de leite. 🙂

Leave a Reply

Related Posts