Casamento Família half and half Intercâmbio Vida na Irlanda

O Melhor de Dois Mundos*

Quando você faz intercâmbio, além de uma nova língua você ganha a chance viver uma outra cultura.

Meia verdade, principalmente quando a cidade escolhida para tal experiência é Dublin já tão lotada de brasileiros em quase todos os cantos. Em sala de aula você vai ter sorte se pelo menos o professor(a) for Irlandês(a). Durante o verão talvez você encontre alguns europeus, principalmente franceses e espanhóis, também por aqui com o objetivo de melhorar o inglês. Do contrário, com exceção de alguns poucos asiáticos talvez, sua saula de aula vai ser de brasileiros que cometem exatamente os mesmos erros que você (como a pronúncia de um “i” imaginário no final das palavras terminadas em consoante: big(i), pink(i) e etc.).

De maneira nenhuma acho que isso influi no que você pode aprender por aqui, já que se fosse para contar só com a experiência de sala de aula a maioria ficava mesmo no Brasil. Mas aí vem o outro problema: sair nas ruas de Dublin é ouvir praticamente mais português do que qualquer outra língua, especialmente na zona norte da cidade.

Além disso, já que a maioria dos estudantes é de brasileiros fica muito difícil encontrar um housemate que também não seja brasileiro. Aí ao invés de comer Irish stew no jantar você vai fazer feijoada e lamentar o preço do guaraná. Ou ir a algum pub na Temple Bar, achando que já se adaptou à vida Dublinense, mal sabendo que os Irlandeses não frequentam a Temple Bar.

Só sabe como vive um irlandês, quem vive com um (ou mais de um). Afinal quantos brasileiros morando aqui na ilha sabem me dizer como os irlandeses lavam louça?

Eu tenho a sorte de ter uma família half and half, meio irlandesa meio brasileira, onde cada um lava a louça do seu jeito, onde batata e arroz na mesma refeição é proibido, mas uma sobremesa com leite condensado não mata um, nem uma coca-cola com o jantar de vez em quando.

E mais do que isso, tenho sorte em dobro já que I. também é produto de outra família half and half (mãe inglesa, pai irlandês). Não fosse por isso ontem eu não teria jantado carne assada com batatas, legumes e gravy, acompanhados de Yorkshire Pudding (uma espécie de bolinho), pela primeira vez.

O tal do Yorkshire Pudding, é como o nome já sugere, um prato típico do norte da Inglaterra. Eu, que mal consigo esconder minha paixão por praticamente tudo o que vem da terra da rainha, já estou pensando em como servi-los da próxima vez: com picanha brasileira, e quem sabe forçando (muito) a barra, um arroz e uma farofa.

Aliás, vou até aprender a fazê-los! Já que minha sogra inglesa pode fazer a melhor feijoada que eu já comi na vida, quem sabe a nora brasileira não vire especialista no roast dinner inglês?

N.

* No meu caso, três.

24 Comments

38 anos; brasileira que mora na Irlanda; mãe de um filhote de irlandês do cabelo vermelho e muito fogo na bunda, de uma pimentinha de olhos grandes e curiosos e de uma caçulinha que é só sorrisos.

Previous Post
March 14, 2011
Next Post
March 14, 2011

24 Comments

  • ka smith

    Breno ama Yorkshire Pudding ! é muito fácil de fazer!

    Sorte nossa, né? mas eu devo confessar que detesto gravy… e amaioria das especiarias irlandesas e inglesas…:/

  • Ana

    Ai, adoro roast dinner. Esse da foto me deu até água na boca. Também preciso aprender a fazer Yorkshire pudding, mas é tão barato comprar pronto que eu desanimo.

    Beijos!

    • nivea

      Ana,
      Eu nem sabia que dava pra comprar pronto. Vou ver se acho por aqui.
      bjs

      • Ana

        O M&S vende comida por aí? O deles é uma delícia.

        xx

  • IngridSouza

    Fui pra Dublin em 2006 e apesar de já ter muuuuuitos brazucas, minha convivencia era bem pouca, ao contrario da grande maioria não fui estudar ingles, eu fui fazer pos no DIT em Hotelaria, ai la eu era a unica brazuca da sala, trabalhei no Hilton e no Carlton do aeroporto, o staff era bem misto, tinha gente de todos os cantos, de brazuca era eu no dpto de eventos e um super amigo meu na lavanderia.
    A verdade eh que os amigos que tinha em Dublin eram amigos que eu teria em qualquer lugar do mundo, nunca fui muito daquele tipo que o simples fato de ser brasileiro já é motivo pra ser amigo, e era uma galera que dominava o ingles, muitos estavam tb fazendo pos ou outros cursos diferente, que ja tinha m background internacional e que nao vivia naquela saudade eterna da patria amada hahaha.

    Não sou muito chegada a comida Irlandesa não, mas como boa carnivora nunca dispensei as carninhas com batata, legumes e um bom gravy!

    Já a comida hungara…. eu me acabo!

    beijocas

    • nivea

      Oi Ingrid,
      Não sabia que vc tinha morado aqui em Dublin. No seu caso é diferente, né? Já falar inglês e vir para estudar qquer outra coisa propicia mais contato com outras culturas.
      Fiquei curiosa quanto a comida hungara.
      Bjs

  • Ms. Cherry

    Amo amo amo o roast dinner! Amo de paixao o gravy com legumes! Hmmmm deu ate agua na boca!!

    • nivea

      Oi Ms. Cherry,
      Concordo, com gravy até eu como legumes.
      Bjs

  • Kenia

    infelizmente o marido aqui na minha casa esta proibido de lavar louca, ate ele aprender a lavar do meu jeito!
    ele jah ate aprendeu a comer a comida brasileira que eu faco (stick segundo ele) haha tudo com um molhinho, feijao, creme de alguma coisa!!
    Parabens pelos posts Nivea… jah esta na minha rotina passar por aqui!
    Bjs

    • nivea

      Oi Kenia,
      hahaha… “comida stick”, adorei! Verdade, a gente é mais chegado numa comida cremosa, né?
      Bjs

  • klelia

    N.

    aqui em casa,as mulheres sao brasileiras e os homens irishs…
    eu ainda achava q era por sermos mulheres…
    pelo visto nao…
    eles nao tem talento nenhum pra lavar louca…
    =(

    adoro passar por aqui…
    e quem sabe um dia te encontro por aqui em Dublin…
    =D

    bjos na dupla,quase trio…

    • nivea

      Oi Klelia,
      Obrigada pelo comentário, adoro ver gente nova por aqui. Pois é, não é porque eles são homens e vcs são mulheres, não. A diferença é cultural.
      Bjs

  • Lorna

    Você não imagina na quatidade de risada que eu dei quando li o jeitinho brasileiro de colocar o “i” no final das palavras terminadas em vogal, verdade verdadeira!

    • nivea

      Oi Lorna,
      O jeitinho identifica a maioria dos brasileiros mesmo. 🙂
      Bjs

  • rita gomes

    Oi! acho que nunca comentei aqui 🙂 vim pelo blog da karine… sou ex expatriada… moro com um irlandes, mas agora no brasil!

    se tinha algo que me incomodava aí era forma como varios brasileiros vivem.. qd cheguei em 2006 tinha pouco brasileiro (nunca me esqueco q qd fui prolongar meu visto, só tinha eu na imigracao sem fila!) .. tive a grande oportunidade de ser aupair e morar um pouco afastado de dublin.. e por conta disso irish stew se tornou minha comida favorita e eu sei como eles lavam a louca.

    penso que é um graaaaaande desperdicio fazer o que a galera faz mas acho que isso acba acontecendo por falta de opcao mesmo… (e sim eu tinha e ainda tenho amigos brasileiros q fiz na irlanda depois que as aupairs europeia foram embora)

    sendo tbm metade metade acho que nó tentamos ter o melhor de ambos os lados.. mas comida irlandesa (que eu gosto!!) nunca rola lá em casa 🙁
    bjs e bom parto!!

    sou professora de ingles tbm!

    • nivea

      Oi Rita,
      Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Eu concordo que é falta de opção o maior problema, mesmo.
      Bjs

  • paulacerdá

    Oi Nivea tenho acompanhado os seus posts e esse me deixou com água na boca, e depois de ler todos os seus comments preciso perguntar!!!!Mas afinal??? Fiquei curiosa, como é que eles lavam a louca????

    • nivea

      Oi Paula,
      Que bom saber que você tem passado por aqui. Faz assim, hoje é dia de I. lavar a louça. Vou tirar umas fotinhos e transformar em post.
      Um beijo,

  • Beta

    Nivea, deu agua na boca! Faz, tira foto e libera a receita centenária da sogra pra gente! Rsrsrs!
    Beijinho

    • nivea

      Oi Beta,
      Super fácil de fazer. Depois eu publico a receita.
      Bjs

  • Ernani

    Tb adoro roast dinner e sou fã de gravy. Até a japs (que às vezes faz frescura com comida) gosta. E concordo com tudo o que vc disse sobre vir pra cá, viver só na comunidade brasileira e não aprender a cultura local… parece um desperdício danado…
    bjoca (e me convida pro pudding, please?!)

    • nivea

      Ernani querido,
      Está mais do que convidado. Aliás não vai embora antes de jantar aqui com a gente.
      Bjs

Leave a Reply

Related Posts