Menu
depressão / Pretensões e Desabafos

Como vai você?

Eu vou bem, obrigada.

Até outro dia aí estava com toda vontade do mundo de voltar a escrever, o calendário cheio de ideias de textos, a cabeça cheia de coisa para contar.

Comecei um curso de fotografia online, fiz planos de tirar a máquina de costura da caixa, quis ir para a academia ou sair para correr todas as manhãs, além de sair com o carro todas as noites para pegar prática e fui deixando o blog para outra hora.

Aí a vida foi acontecendo, as coisas continuaram acumulando e fui me perdendo naquele mundo de tarefas diárias que nunca têm fim.

Todos os dias ia para a cama muito tarde, muito cansada e com uma sensação ruim de que o dia não tinha sido bom simplesmente porque eu não tinha dado conta da minha infinita lista de afazeres. Dentre os itens não riscados nunca da lista estava sempre voltar a blogar (ou seria bloggar? ou como se fala isso em bom português mesmo?)

Quem consegue priorizar um hobby quando se tem que aprender na marra a dirigir o mais rápido possível? Quando se precisa arrumar tempo (e revezar com o marido) para a atividade física (porque com o corpo parado minha cabeça fica a mil e minha sanidade some)? Para cuidar da casa, dos filhos e de todo o resto? Erik de férias, Elena pedindo atenção constante, Ian trabalhando até tarde quase que todos os dias.

De novo dei mais uma surtada. A depressão voltou a bater na minha porta e entrou mesmo que eu insistisse muito em impedi-la. Quando percebi, já não conseguia mais continuar. Levantar da cama exigia muito esforço, o prazer de todas as pequenas coisas sumiu, a exaustão me dominou. Cada vez que Erik me chamava ou Elena resmungava eu caia num choro sem fim, fazendo tudo no automático, contando os minutos para voltar para cama e dormir.

De novo eu não me deixei vencer. Quem diria que aquilo que em teoria me enfraquece, a ponto de eu não querer mais viver desse jeito, é ao mesmo tempo o que me mostra quão forte e determinada eu sou? { li coisas tão interessantes ultimamente sobre depressão que me fizeram pensar e ver as coisas por uma ótica completamente diferente – assunto para outra hora }

Fiquei muito mal, mas foram poucos dias. Fui obrigada a aumentar minha medicação (já que terapia está fora de cogitação por enquanto – não cabe nem no meu orçamento nem na minha agenda) e estou aos poucos fazendo as pazes com a ideia de nunca mais parar ou diminuir os remédios.

Aí tudo voltou ao normal. Ou quase normal, já que como sempre tenho aprendido com a dor. Sabe o arco-iris que vem depois da chuva? Então, esse mesmo. Ele apareceu e me trouxe uma paz enorme. Um bem-estar sem tamanho. Aquela sensação novamente de força e energias renovadas.

É como se meu corpo tivesse que se desligar completamente para descansar, esvaziar minha mente sempre inquieta, e depois reiniciar.

Como disse lá em cima, estou bem. Estou respirando, estou meditando, estou estudando, estou me exercitando. Estou feliz.

E olha só, voltei até a escrever.

Para quem pergunta sempre dos meus filhos, eles também estão bem. Amados, felizes e bem cuidados, eles são a principal razão de eu estar aqui hoje. Eles precisam de mim e se mil vezes eu cair em depressão, mil vezes eles vão me ver levantar.  Mais forte e pronta para outra.

Tem exemplo mais bonito?

N.

PS. Esse texto saiu completamente diferente do que tinha planejado escrever hoje, então o que eu ia dizer eu volto para dizer outro dia.

About Author

39 anos; brasileira que mora na Irlanda; mãe de um filhote de irlandês do cabelo vermelho e muito fogo na bunda, de uma pimentinha de olhos grandes e curiosos e de uma caçulinha que é só sorrisos.

13 Comments

  • Dani Bispo
    August 19, 2015 at 6:44 pm

    Nivea,
    Muito bom que vc tem a consciência que pode cair e se levantar
    Poxa estou curiosa quanto esses livros que você leu sobre depressão. Não deixe de compartilhar com a gente. Estará certamente de certa forma ajudando outras pessoas com o mesmo problema
    Um abraço
    Dani Bispo

    Reply
  • Mariana Fortes
    August 19, 2015 at 6:59 pm

    Eu gostaria que você soubesse que se eu fosse psicóloga te atenderia com terapias via skype… Mas como sou professora – assim como você – mando a estrofe de uma poesia (que rima com terapia, à proposito):

    “As coisas tangíveis
    Tornam-se insensíveis
    À palma da mão

    Mas as coisas findas,
    Muito mais que lindas,
    Essas ficarão.”

    E de todas as coisas lindas que você faz por seus pequenos, o seu levantar por eles, com certeza é o que vai ficar.

    Um beijo gigante!

    Reply
  • Paula Oliveira
    August 19, 2015 at 7:22 pm

    Voce é muito forte, Nivea. Desejo que tudo possa melhorar ainda mais pra vcs.
    xx

    Reply
  • Suelen
    August 19, 2015 at 7:23 pm

    Oi Nívea,

    Que bom que tu estás bem, ou melhorando.
    Senti (e acho que posso falar por todos os leitores do seu blog) saudades.
    Um abraço,

    Suelen.

    Reply
  • Mari
    August 19, 2015 at 7:34 pm

    Bravo! Cair, todos caem. Não precisa aprender a cair. Mas aprender a levantar… ah, aí a história é outra!
    Parabéns pela luta.
    E força!

    Reply
  • Mariana
    August 19, 2015 at 8:20 pm

    Nivea,
    sinta se abraçada. Fico feliz que você esteja dando a volta por cima. Acredite: você dará quantas vezes forem necessárias.
    Força!
    E conte com o nosso carinho, ainda que virtual.
    XX

    Reply
  • Bárbara
    August 20, 2015 at 12:24 am

    Admiro muito a sua força. E vamos sempre em frente.
    Beijos

    Reply
  • kel
    August 20, 2015 at 12:29 am

    Que bom saber que você sempre se levanta Nivea, que tudo sempre entra nos eixos.
    Ah, uma coisa pra te contar, desde que vi o video do E. falando arroz, feijão e carninha yummy yummy, agora só falo assim, mostrei o video ao meu marido e agora ele também fala, rsrs, pois adoramos a comida favorita do E. Bjs 🙂

    Reply
  • Laíse
    August 20, 2015 at 12:43 am

    Sinta-se abraçada minha querida, entendo perfeitamente tudo isso que você acabou de dizer, e até mesmo parecia sair de mim. Parabéns pela força, você é uma vitoriosa.

    Reply
  • Gislene
    August 20, 2015 at 12:56 am

    Nívea, eu sempre vim aqui, mas nunca comentei. Mas hoje eu senti essa necessidade.
    Eu não tenho depressão, nunca tive acho ou tive mas sempre pensei que era outra coisa. Coisas de pós maternidade, não sei explicar…
    Há 4 meses eu estou fazendo uso de um colchão terapêutico. Faz dois meses que estou em casa sem dinheiro, sem poder sair por falta do mesmo e ainda não surtei (o que aconteceria em outras ocasioes). Tudo isso graças ao uso desse “colchao”. E há estudos que comprovam isso.
    Te desejo melhoras e os filhos são nossa razão de viver.

    Reply
  • Maria Paula
    August 20, 2015 at 12:29 pm

    Nívea, tb estava sentindo falta do teu blog.
    Te entendo… Tenho depressão há anos, faço terapia e infelizmente sempre q parei com a medicação não deu muito certo. Faz parte, tem pessoas que tomam outras medicações continuamente para outros problemas…. E seguem.
    É isso aí! Força!
    Abraços

    Reply
  • Natália
    August 20, 2015 at 6:53 pm

    Coisa mais linda essa força que seus filhos te trazem! Ainda bem que eles existem para sempre te trazerem pra cima!
    Força e sucesso!
    Bjs

    Reply
  • DIdi
    August 25, 2015 at 5:59 pm

    Tem dia que é assim. A gente pensa, planeja e sai tudo diferente. E tudo bem. A gente vive. A gente encara.
    Hoje o texto saiu o que tinha que sair. Diferente. E daí? Foi verdadeiro e foi bonito.
    beijos e força

    Reply

Leave a Reply