Meu babóg é um menino das letras, você já deve saber. Adora um livrinho e não tem brinquedo nenhum que ganhe a preferência dele.

Com um ano ele já tem o seu livro de cabeceira, ou melhor, o livro da banheira, sua estória preferida, que obrigatoriamente tem que ser lida para ele (em português e em inglês, ou seja, pela mamãe e pelo papai) todas as noites, durante todo o banho, ad infinitum.

Caco Crocodilo é uma estória linda e poética, de amor, amizade e paixão, com enredo intrincado e um persongem principal repleto de nuances. Do início ao fim você fica esperando para saber o que acontece e torcendo por um final feliz. Um clássico da literatura que eu reproduzo na íntegra a seguir:

Caco Crocodilo.

Caco Crocodilo gosta muito de nadar. De barriga para baixo, de barriga para o ar. Mergulha no fundo do rio mas também gosta de boiar. Nem a chuva atrapalha Caco ao nadar. Mas não tem nada mais divertido do que nadar com os amigos.

Nesse ritmo o próximo da lista vai ser Ulisses, do conterrâneo James Joyce.

Aliás, estou achando que meu filho vai seguir os passos dos seus outros conterrâneos famosos (W.B. Yeats, George Bernard Shaw, Samuel Becket e outros que eu não me lembro agora), virar escritor e ganhar um Nobel de Literatura.

Ou não.

N.