Pretensões e Desabafos

Em 2016 eu vou… { passar mais tempo com os meus filhos }

Nada muda mas muda tudo.

Erik continua na escola no período da manhã, eu continuo em casa cuidando dos dois em período integral. Ian continua trabalhando muito e não raramente chegando em casa tarde, ou seja, depois que os dois já estão na cama.

Meus sogros continuam por aqui para dar uma ajuda mas em breve começam a diminuir a frequência das visitas até que elas se tornem mesmo só visitas, tudo dependendo da minha recuperação, claro. Temos planos de contratar uma au pair para trabalhar meio período e ajudar quando eles forem embora de vez porque eu ainda não tenho condições de fazer tudo sozinha. 

A au pair nesse caso seria só um par de mãos a mais para que eu consiga meditar e descansar alguns minutos do dia, ou uma garantia de que se eu não estiver bem alguém vai estar aqui para cuidar das crianças. Dessa maneira meus sogros vão para casa tranquilos e Ian trabalha com a certeza que não vai precisar largar tudo se eu me sentir mal.

O que eu planejo mudar drasticamente esse ano é qualidade do tempo que eu passo com o Erik e Elena. Ou melhor, a qualidade da minha mente quando estou com eles.

A quase morte, a internação e agora a prática de meditação para atingir a “atenção plena” (ou mindfulness em inglês) têm me ensinado muito sobre a importância de além de estar presente estar no presente, de viver uma coisa de cada vez, e esse é um assunto sobre o qual vou voltar muitas vezes aqui.

O tempo não volta. Eu não acredito em outras vidas, ou vida após a morte. Ou seja, o tempo que eu tenho com meus filhos é só esse e eu quero estar com eles. Não quero estar online, não quero assistir novela enquanto eles brincam, não quero escrever enquanto eles vêem televisão. Não quero estar com eles pensando no jantar que precisa ser feito.

Todas essas coisas ainda vão precisar ser feitas, e vão, mas não quero mais me enganar achando que estou com meus filhos quando na verdade só o que está ali é meu corpo.

Você já parou para pensar quantas coisas faz no automático, especialmente com os filhos, com o pensamento em outro lugar, no que a vizinha disse ontem ou no que você vai fazer amanhã ? Quantas vezes você ficou em casa com eles mas fez um milhão de coisas ao mesmo tempo, ou estava de olho o tempo todo no celular?

Não existe vida nem no passado, nem no futuro. Você não muda o que já passou (por mais que pense nisso) nem pode garantir que vai estar aqui amanhã (por mais que você planeje). Por que então a gente evita viver o agora? Fazer o que estiver fazendo e ponto final?

Fazer isso acontecer (por exemplo estar com os filhos e não estar fazendo o jantar ou outra coisa) requer um tantinho de organização, um tantão de desconexão com o mundo virtual e muita prática de mindfulness. Todas essas três coisas estão entre as minhas resoluções para esse ano (assunto para a semana que vem).

Meus filhos não vão ser crianças para sempre. Eu não vou ter outros filhos (pelo menos não intencionalmente). Por que então não estou aproveitando esse tempo com eles?

Presença é presente. Para eles, para mim e em todos os sentidos.

N.

12 Comments

39 anos; brasileira que mora na Irlanda; mãe de um filhote de irlandês do cabelo vermelho e muito fogo na bunda, de uma pimentinha de olhos grandes e curiosos e de uma caçulinha que é só sorrisos.

Previous Post
January 15, 2016
Next Post
January 15, 2016

12 Comments

  • Bárbara Hernandes

    Nivea, você está certíssima. Eu também não acredito em vida após a morte e portanto, penso que temos aproveitar o aqui, o tempo presente. Não tenho filhos, mas desde que vim pra Irlanda trabalho com crianças diariamente e meu…. como eles crescem rápido! Nem são meus filhos e eu fico meio lamentando o fato de que antes eles eram bebês e agora já são meninos e meninas grandes. Aproveite seus filhos, maximize seu tempo com eles. De fato, não há presente melhor que presença.

    • Nivea Sorensen

      Bárbara eu vi depois que acabamos falando meio que a mesma coisa quanto essa noção de eternidade. x

  • Paula Oliveira

    E eles, tenho toda certeza, agradecem a sua presença.

  • Mariana

    Certíssimo. Me dói muitas vezes perceber que chego do trabalho e tenho casa para limpar, roupa para dobrar, jantar para fazer, e muitas vezes “estou mas não estou”. Conciliar, ah, conciliar! Que desafio!
    Espero que você consiga, cada vez mais, estar presente.
    Abração!

    • Nivea Sorensen

      Mariana,
      Você tem realmente uma necessidade de conciliar maior do que a minha que estou em casa com eles. Realmente um desafio.
      Obrigada x

  • Grace

    Ni,
    concordo com você mas que é difícil isso é viu?
    http://www.huffingtonpost.com/rachel-macy-stafford/gritar-com-filhos_b_5287785.html
    Li esse texto e mexeu muito comigo, achei muito interessante. Se tiver um tempinho dá uma oljada.
    Beijo, Grace

  • Zulmira

    Esta passagem é maravilhosa: Não existe vida nem no passado, nem no futuro. Você não muda o que já passou (por mais que pense nisso) nem pode garantir que vai estar aqui amanhã (por mais que você planeje). Por que então a gente evita viver o agora? Fazer o que estiver fazendo e ponto final? Vou ter que pensar muito nisso. (Obrigada.)

  • Karine

    Voce esta certissima Nivs.
    Eu nao consigo dar conta mesmo de tudo e ainda me dedicar in full atention a eles, entao criei um habito que eh sair com cada um separadamente, essa foi a maneira que eu achei, por ter tantos filhos, de dar atencao individualizada, e deles se sentirem especias. Cada um curte uma coisa diferente entao os programas sao bem variados. Em casa infelizmente, tenho tantos afazeres que eh realmente um momento raro pode estar 100% de corpo e mente presentes. E voce sabe do meu hiperativismo ne? o que dificulta ainda mais essa concentracao! Boa sorte pra vc! xx

Leave a Reply

Related Posts