Meu babóg Pretensões e Desabafos

Nem é comigo

Eu amo meu filho mas não sou boba, não. Tenho que admitir que E. é a pior companhia do mundo na rua, a ponto de eu odiar sair com ele. Ele não suporta ficar no carrinho e o máximo que aguenta sem chorar são 5, 10 minutos no máximo, se estiver descansado e de bom-humor. Depois disso ele vira o filho do capeta com dor de barriga e afta no cantinho da boca (sabe bem no cantinho?).

Se estiver com sono, então, aí eu me preparo psicologicamente para o apocalipse. Ele chora, grita, me chuta (se eu estiver na frente), atira longe a chupeta, o biscoito, ou qualquer coisa que eu tentar dar para ele se acalmar, se debate a ponto do freio do carrinho não aguentar o tranco dentro do ônibus. Parece possessão demoníaca, juro.

Todo mundo olha com o canto do olho e eu fico para mórrer.

Sair com ele a tarde toda, ou manhã toda, nem pensar. Tenho que fazer tudo na rua correndo, literalmente. Fazer compras? Im-pos–sí-vel.  Parar para tomar um café? Olhar uma vitrine? Coisa do passado. Eu só saio de casa mesmo para fazer o necessário, ou para levá-lo em algum lugar para brincar, e volto sempre exausta e irritada. Nem ao mercado aqui ao lado eu vou mais, o que eu sempre adorei fazer diariamente. Compras de supermercado só online.

Evito, claro, sair num horário que ele possa ficar com sono. Mas nem sempre dá, né? Se tem consulta no médico, ou outro compromisso com hora marcada eu sou obrigada a aguentar o tranco. E ele, claro, não dorme no carrinho.

O fato é que de todo o jeito eu vou ouvir choro, muito choro. Antes eu ainda tentava acalmar, tentava distrair, cantava, ia conversando, oferencendo uma coisinha para comer. Como nada adianta, mudei de técnica. Agora eu simplesmente ignoro. Ignoro porque é manha, escândalo depois de 10 minutos na rua é pura manha, é bullying com a pobre da mãe, é muita sacanagem.

Para isso eu ando preparada, assim que ele abre o berreiro eu simplesmente coloco meus fones de ouvido e escolho a trilha sonora mais alta possível.

O que os ouvidos não escutam o coração não sente e a mãe não se estressa.

N.

22 Comments

39 anos; brasileira que mora na Irlanda; mãe de um filhote de irlandês do cabelo vermelho e muito fogo na bunda, de uma pimentinha de olhos grandes e curiosos e de uma caçulinha que é só sorrisos.

Previous Post
October 12, 2012
Next Post
October 12, 2012

22 Comments

  • Dani Cassar

    Ni que dificil hein. Imagino que nao deva dar vontade de sair msm =s
    Bjs

  • Cintia

    Putz, Sofia teve uma fase parecida. Um saco. Eu evitava sair ao maximo. Ignora mesmo… eu sempre me abaixo, digo ‘nao! nao!’ e continuo empurrando o carrinho… se continuar, me abaixo e falo de novo… e num eh que ela para? 🙂
    Boa sorte! Realmente eh um saco!

    • Nivea Sorensen

      Cintia, obrigada. Até tentei isso, mas ele não para e eu não chego ao destino nunca se ficar parando a cada minuto.
      x

  • Ursula

    Ai Ni, que aflicao. Nem tenho ideia do q é passar por isto. Sabe aqueles carrinhos que o bb “dirige”? Que costuma ter em shoppings? Vc ja tentou? Orando por ti amiga!

    • Nivea Sorensen

      Ursula,
      Não sei qual é esse que você está falando mas aqui até tem um que parece uma bicietinha, a criança vai “dirigindo” enquanto você empurra. Até pensei em comprar mas desisti quando lembrei que dificilmente aqui deixa de chover num dia. E se estiver na rua e cair o maior temporal?
      Obrigada amiga.
      x

  • Camila

    Confesso que sou dessas pessoas que olham para a mãe quando a criança grita na rua. Acho um horror criança escandalosa.

    Mas também confesso que lendo o seu blog, comecei a perceber como mãe sofre, porque nem sempre é fácil. Aliás, nunca acho que é. Você conseguiu e tem conseguido me fazer mudar de ideia sobre vários aspectos dessa vida materna.

    Também acho que seja fase, mas essas fases são chatas. Meu primo quando era pequeno passou pela fase de bater. Era um inferno.

    Espero que passe logo e que você consiga voltar a fazer seus passeios em paz.

    • Nivea Sorensen

      Camila,
      Eu também olhava, mas hoje percebi que nem sempre a mãe tem culpa. Quando E. faz isso eu acho que as pessoas pensam que eu saio com ele para fazer compras e passo o dia todo com o pobre preso no carrinho, o que não é verdade.
      Obrigada.
      x

  • Nadja

    Nossa, que difícil,né??? Crianças são bem difíceis as vezes. Minha prima tem uma menina que era o contrário quando nenê… ficando em casa era um choro só… mas falar em passear… ela se acalmava. Mesmo que a mãe deixasse o carrinho parado e ficasse escolhendo roupa ao lado dela, esperando um café, ou lendo no parquinho!!! Mas em casa… minha prima não conseguia nem tempo para tomar banho!!!

  • Fernando

    Nivea é a melhor coisa a fazer, minha mãe diz que eu era terrível também, birrento ao extremo, ela diz que tentava negociar, mas eu só fazia o que queria e quando tinha vontade, ela desistiu, pois o sábio ditado já diz que o que mão tem remédio, remediado está, abraço.

  • Liza

    Eu sempre via as mae aqui fazerem isso e eu achava o cumulo, ate que trabalhei de baba hahahaha

    Eh a melhor coisa a fazer!!!

    • Nivea Sorensen

      Liza, as pessoas olham feio mesmo, mas não são elas que aguentam o choro o tempo todo, né?
      x

  • Caroline Carvalho

    Vou te contar, to contigo e não abrooooo…
    Minha dupla aqui ficou super treinada no carrinho, acho que porque ensinei eles inclusive a dormir no carrinho.
    Até ai tudo bem, mas quem disse que desde que andam eles querem saber do carrinho. CLARO QUE NÃO…
    Andar é muito mais prazeroso.
    UFA.
    Nunca mais consegui sair sozinha com os dois, a menos que seja ir ao mercado, comprar correndo e voltar voando.
    Queria poder passear mais, então espero crescer e esta fase passar, é o que me resta.
    =(
    Beijos

  • Juliana Valera

    Imagino que se eu estivesse no seu lugar, faria a mesma coisa!

  • grace

    Dá cá um abraço… tamos juntas!!

  • Carol Frias

    Minha Mariana (1ano4m) e E. são almas gêmeas! Como já falei aqui antes, seu blog é um consolo pra mim. Bom saber que não estou sozinha nos dilemas de criar bebês com “fogo na fralda”. Minha mãe, a avó coruja, me critica quando digo que sair com a Mari é um inferno. Acha que é tudo exagero e que, na verdade, a neta dela é só uma criança com muita energia! hahaha.

    • Nivea Sorensen

      Carol.
      Minha sogra foi professora primária e depois teve playgroups na casa dela (ao mesmo tempo em que cuidada dos filhos), ou seja, cuidou de muita criança. Ela concorda comigo quando eu digo que E. tem mesmo fogo na fralda.
      Beijos

Leave a Reply

Related Posts