Mimimi de mãe


Pode?

Posso, né? Faz tempo que eu não venho aqui reclamar da vida ou das minhas bellyaches. Então que se você não tiver com saco volte amanhã que eu pretendo ter parado com o mimimi e voltado a programação diária de bobagens.

Por hoje o que tem é mimimi mesmo….

Desde que começou a caminhar para valer há mais de uma semana meu filho virou o bebê de Rosemary (pouco menos conhecido como o filho do diabo). A rotina que dava tão certo para a gente foi para o espaço, não reconheço mais os horários das sonecas dele que agora são sempre precedidas de in-fi-ni-tos minutos de choros e gritos. Se eu desisto de tentar fazer com que ele durma aí é pior ainda, ele se agarra as minhas pernas chorando e esfregando os olhos e não quer nem brincar, nem fazer mais nada. Se tiver muito cansado não come. Se não come acorda às 5 da manhã aos berros pedindo por uma mamadeira.

Se eu programo um passeio ou um playgroup ele resolve dormir. Se eu acho que ele vai dormir e fico em casa ele não dorme. A sensação é de que eu nunca sei o que fazer.

A diversão agora é atirar os brinquedos longe e correr, correr cair chorar, correr bater a cabeça chorar, correr e procurar encrenca. Ele tenta subir nos móveis ou abrir gavetas e armários que estão trancados e se frustra quando não consegue. Sentar e brincar quietinho? Nem pensar.

Trocar fralda deixou de ser só um trabalhão para virar tarefa praticamente impossível. Juro para você que ultimamente tenho feito as trocas de fraldas sujas de xixi com ele em pé mesmo. Isso depois de quase ter surtado outro dia ao tentar trocá-lo no trocador. Era tanto choro, tantas lágrimas, tantos gritos e um bebê inteiro retorcido e duro (parecia possuído) que assim que eu terminei pus ele no berço (ainda aos prantos e roxo de tanto nervoso) e fui no hall do prédio contar até 10 para não gritar com ele. Chorei de raiva, de frustração, de cansaço.

A casa que já andava bagunçada pela presença dele (o que é normal para uma casa com crianças) virou território de ninguém. Ele não me deixa mais recolher as coisas, ou quando consigo ele é mais rápido em desarrumar. TUDO vai ao chão em segundos.

A paciência que era pouca agora é nula, ele não quer brincar e o negócio é andar para baixo e para cima grudado nas minhas pernas. Não consigo mais comer sem ele pendurado, não vou ao banheiro sem que ele fique chorando na porta.

O pior de tudo é depois das 5 da tarde quando ele normalmente está exausto. Nada está bom, ele não quer brincar com nada, não quer ver TV e, num horário em que eu normalmente tenho que começar a fazer o jantar, ele se pendura em mim e chora. Não adianta eu parar o que estou fazendo e brincar com ele que não funciona.

Sair de casa nessas horas é ainda pior, E. odeia o carrinho (e o carro também) e a choradeira só aumenta.

Então que não tem um dia em que eu não termine aos prantos. Já tive dias melhores, não vou mentir. Mas ó, tenho fé que isso passa…

Precisava escrever, viu? Se você chegou até aqui, obrigada por ouvir.

N.

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

40 comments on “Mimimi de mãe

  1. Karina M. disse:

    Ní,

    Eu te entendo! E como te entendo!
    Tem dias em que dá vontade de sair correndo.
    Não consigo fazer mais nada. Nem ir ao banheiro sossegada pq ele sempre vem junto, e aí é um tal de querer botar a mão no lixo, de arrancar a tampa do ralo…
    O Gabriel tb fica me puxando pelas pernas e outro dia quase arrancou as minhas calças.
    Trocar fralda é terrível aqui tb! Ontem ele ficou tão agitado que meteu a mão no cocô.
    Sentar no carrinho é quase missão impossível. Ele endurece o corpo. chora, grita e me bate.
    Eu tb tenho fé que essa fase termine logo.
    Minha enxaqueca e ânsia de vômito, segundo o médico, são de cansaço e stress. Mas eu não posso me dar ao luxo de ter essas coisas, afinal tenho um bebê pra cuidar e uma casa pra tocar.
    E vamos que vamos!
    Beijos

    • Ai, Ka… é bem por aí mesmo, né? Se eu tivesse lido esse seu depoimento antes de ter meu filho ia achar você uma exagerada, mas sei exatamente como é.
      Beijos

  2. Ursula disse:

    Amigas N. e K., onde vcs arrumaram estas crianças? Sera que é a nova geraçao?????? Vou orar pelos 4!!!! Bjs e sorte

  3. Carol disse:

    olha, Lucas nem começou a andar ainda e já está assim. Só quer fazer besteira, subir em móveis, enfiar os dedos nas tomadas, morder fios, bater com a cabeça nos vidros da casa. E agora, ainda por cima, cismou que eu tenho que estar presente em tudo isso, não só do lado, mas colada fisicamente. Quando algo não sai como ele pensava (e acho que nem ele mesmo sabe bem o que quer), ele chora, grita, joga a cabeça pra trás… é uma birra que eu jurava que crianças de um aninho não eram capazes de fazer.

    tá phoda, viu.

    sendo assim, te dou um abraço virtual e, te digo: tamujunta.

    beijos!

  4. Risos! Eu não entendo mais, mas ler essa rotina me dá uma sensação de dejavu, como se em algum momento da minha vida, essa loucura tinha sentido pra mim…SIM, mães esquecem desses percalços e quando a gente olha pra trás, acha tudo tão natural e já começa a dar pitacos, talvez, sem sentido…antes que eu comece a agir desta maneira… já peço desculpas se eu falar algo MUITOOOOOOOOO sem sentido, mas lá vai:
    aprendi que geralmente quando eu estava a beira de um ataque de nervos porque não tinha mais saída aquela situação com o filhote que o maior erro tava comigo. Mas só consegui enxergar isso depois de dias, meses ou anos…
    Bem, vamos ver se tantos erros e olhares para o passado vão fazer diferença com minha segunda filha que ainda está no barrigão! Boa sorte com filhote e que venham muitos mimimis pela frente…Eles são cruciais para nosso crescimento!

    PS: aproveito para agradecer a visita e comentário no meu post de hoje sobre a dependência com marido. Valeu mesmo! Já te dei um feedback por lá. Inté, abraços e obrigada!

    PS2: Vi que vc também participou da pesquisa da blogosfera: obrigada! Fiquei com uma dúvida: vc mora em São Paulo ou na Irlanda? E o nome Nívea tem algo a ver com a marca de cosméticos, é fictício ou verdadeiro?

    • Ceila,
      Olha que você tinha toda a razão, a culpa era mais minha mesmo. Quando eu escrevi consegui me acalmar um pouco e com isso ele se acalmou também.
      E que a gente esquece, esquece mesmo, disso eu nõa tenho a menor dúvida.
      Pesquisa da blogsfera? Nossa, juro que não lembro se participei! haha
      Eu nasci em São Paulo mas moro na Irlanda, Nivea é meu nome de verdade, sem nenhuma conexão com a marca (para infelicidade do meu bolso)
      Um beijo

  5. Paula disse:

    Nivea eu me lembro dessa fase com pouca saudades pra ser sincera. Quando eu digo q so passei a realmente curtir o Samuel depois dos 2 anos e pq essa e a verdade, de 1 ano a 2 anos eu tina mais vontade de sair correndo q antes. Nao tem descanso mesmooooooo, mas passa, eles se acalman. COmeca a as birras mas pelo menos no nosso caso ele comecou a brincar mais sozinho, ser mais independente oq pra mim foi uma bencao. USe Todo o seu direito a mimimi, e grite qndo precisar para nao explodir! Boa sorte!

  6. miriam disse:

    Ai essa fase malandra que eles querem viver independemtes por todo lado e virar a casa de pernas pro ar…ks vai melhorar viu…e fase…bj

  7. Fernanda disse:

    Ah…. não sou mãe ainda, não posso dizer que sou solidária por experiência… mas vai passar logo, bota fé!
    E reparei na foto que ele está com aquela pashmina linda no pescoço, ou me engano? Ele não tirar do pescoço já um progresso, ou seja, todas as coisas novas com as quais ele vai se acostumando, incluindo caminhar.
    Ok que até lá ele está quebrando a tua casa, mas deve ser um processo normal para um viking contemporâneo!
    Respire fundo e beijos pra vocês!

  8. Mia disse:

    Tem dias que leio teu blog e penso ”Quero aumentar a família agora!” mas tem outros que.. ”Well.. it can wait.. 8, 10 years, i suppose..”
    Ah.. é tão difícil enfrentar uma situação quando ela aparece pela primeira vez!
    Será que ele não está na famosa adolescência do bebê? Quando eles se percebem que podem fazer muita coisa e começam a lutar para conquistar o próprio espaço..

    O importante é não deixar ele te tirar do controle, pra ti não acabar cedendo a todos desejinhos do teu pequeno.. até pq eles só começam a aceitar regras ao longo do tempo e os pais tem que tentar não fazer disso uma batalha, pra não precisar ter aquele desgaste diário com o baby..

    E tudo isso exige MUITO amor! Isso tenho certeza que tu tem e de sobra xxx

    • Mia, ter filho é a pior e a melhor coisa que você pode fazer, simples e resumido assim. Tem dias horríveis como esses meus últimos, e tem outros momentos da mais pura felicidade. E é tanto amor, tanto, que uma coisa compensa a outra.
      Obrigada e um beijo

  9. Querida, tem dias que o cansaço pega a gente de jeito…e isso acontece mesmo com todas as mães, tenha certeza disso…eu que antes era toda organizada com a casa, depois do nascimento da minha filha mudei muito, a gente acaba não conseguindo mais fazer muita coisa e depois que eles se tornam miniaturas andantes, piora no sentido de cuidados…querem subir em tudo mesmo, querem correr e mal sabem andar, caem, jogam tudo no chão…posso dizer que o melhor que fiz foi desencanar…quando consigo, arrumo a casa, quando não dá, relaxo…tenho mesmo uma garotinha levada em casa que gosta de esconder os brinquedos no armário da cozinha e daí?! Paciência…calma e paciência…mesmo com todo esse trabalho e cansaço, diz aí se não é uma delícia ser mãe?! Eu, adoro!!!!

    bjs e boa sorte com o pequeno terrorista…rsrs

  10. Dai disse:

    Meu “bebe” está c/ 10 anos já, mas já passei por fases terríveis c/ ele! Com 1 aninho ele não dormia, só queria ficar grudado em mim dia e noite, eu me estressei tanto q fui parar no hospital! passei uma noite internada, me viraram de ponta cabeça e descobriram que eu não tinha nada físico, era pura estafa e eu confesso que aquela noite no hospital foi ótima, foi a 1ª noite inteira que dormi desde que ele tinha nascido … Depois disso vieram outras fazes iguais, menos ou + terríveis que essa e o que me fazia manter a sanidade (pelo menos tentar) era a certeza de que cada fase passaria, tudo passa.

  11. Daniela disse:

    Nivea, dá cá um abraço, amiga!

    Pelo que vc viu, a situação em casa não está muito diferente – e, há uma hora, mais ou menos, postei mais um texto da série “mimimi de mãe”, adorei o mimimi hahahahahahaha…. ainda fiquei pensando, depois de submit o texto: caraca, se alguém lia meu blog, vai deixar de ler, pq eu tenho reclamado muito por aqui!!!! Mas não dá para ser diferente, é fase eu acho. Eu espero! A Laura está com 1 e 4, mas está muuuuuuuuuuuito chata. Eu super entendo isso de tirar tudo do lugar e colocar de novo (antes de terminar de guardar, TODOS os itens ora ajeitados estão no chão de novo, eu sei, eu sei!!), a birra da fralda, tem hora que eu seguro a Laura pela barriga, parece que estou agredindo ela de tão brava que estamos! As duas! Pq eu fico PUTA! Não falo nada – pq eu sou assim, quando quero MATAR a Laura, fico quieta, muda, para não falar coisa errada – brinco de mudinha e troco a fralda à força. Sou mudinha-lutadora. Seguro com uma mão e troco com a outra. MUDA. Pq tenho vontade de gritar “cheeeegaaaaaaaa pelamordedeus!!!!!!!!!” mas fico quieta. Troco a fralda, libero a prisioneira torturada, ela volta pra sala para derrubar tudo. tudo! Um inferno. Claro que tem horas que eu deixo e ela brinca livremente, mas quando preciso GUARDAR, ela não entende. E, geralmente, eu guardo com ela dormindo…. senão, é só retrabalho.

    Já fiz a Laura chorando sob protestos seríssimos. Berros, choro, gritos, parecia que eu estava beliscando ela com alicate. Mas fiz. Não desisti. E ela dorme, cansada, chora tanto que quando dorme, capota. E só acorda refeita, o que acho bárbaro. Mas só assim para dormir, senão, não dorme.

    Entendo bem. Entendo tudo. E te digo que fico mto feliz quando mães internéticas colocam tudo claro assim nos textos, que não tentam passar a imagem que família feliz realizada zero estress, sabe? Todas nós sofremos, cansamos, queremos morrer, às vezes. Ontem mesmo eu saí de casa chorando, pra respirar, pq não aguentava ouvir a Laura chorar, birra, nervoso. Credo. Deixei ela com o pai e saí, chorei na entrada do meu prédio. Não aguentava mais.

    Mas vai passar! TEM que passar!

    Beijos!!!

    boa sorte para nós….

    • Daniela,
      Muito obrigada pelo carinho. Nessas horas acho que é tudo o que a gente precisa. Ainda não li seu último mimimi, mas vou lá dar meus pitacos.
      Beijos grandes.

  12. Daniela disse:

    linha 24: já fiz a Laura DORMIR.

    =)

  13. klelia disse:

    oie,

    eu ainda nao sou mae,mas sendo au pair durante o dia todoooo
    posso te dizer q sei bem o q vc ta falando…
    mister T. tem 17 meses e hoje o dia foi foda,ateh a mae sentou no sofa com jeito d:agora eh paz…isso pq eles ficaram o T. por 1h.
    minha mae fala pra mim olhar o lado positivo,qdo eu for mae ja terei essa bagagem…
    mas tem dias q eu rezo pra q termine logo…mas como tudo na vida,dias melhores virao!!!
    =D
    xx

    • Klelia,
      Isso é verdade. Os meninos que eu cuidava tinham 3 e 1 ano e não me davam o menor trabalho. Mas o maior problema quando se é mãe é que não existe horário de trabalho, não existe descanso, tudo se mistura.
      Beijos

  14. ka smith disse:

    Amiga,
    Você vai sobreviver e olha que os terrible twos ta chegando pra deixar sua vida ainda mais divertida…mas o bom é que tudo passa e daqui a pouco tu esquece dessas crises e só vai ficar com a saudade de ter um menino perfeitamente saudável e cheio de energia pra gastar, sinal de que tu ta fazendo um bom trabalho.

    beijo

  15. Cintia disse:

    Passa, ne? Eh o que todo mundo fala. To torcendo! Fica bem :)

  16. LuLu disse:

    OOO gente! Sò lendo aqui e pensando: que corajosa que é voce!
    Coragem de ser mae, coragem de criar e coragem de fazer mimimi.
    Ai, to virando fan de carteirinha! ^.^
    Força na peruca, Nivea! O mundo anda precisando de pessoas como voce!
    Beijo grande.
    Ciao..ciao.

    • Lulu, obrigada!
      Mas ó, não tem muita coragem, não! Tem só verdade. Não é tudo lindo sempre, não. Tem horas que eu me desespero, que quero voltar atrás, que quero ficar sozinha. Em outras fico pensando em quantos outros eu teria só para ganhar o olhar, o abraço, o sorriso.
      Um beijo grande meu também.

  17. Liza disse:

    Oh Nivea, nao tenho babies, mas tudo na vida passa e com certeza essa fase vai passar tambem e, se Deus permitir, bem rapidinho!!!

    Fica bem xx

  18. grace disse:

    Nossa tava lendo e revendo a cena aqui de casa… putz é foda messssmooo, minha lelezinha tb está nessa fase de chorar por tudo e pra tudo…aaafff… mas melhora sim, só que parece uma eternidade… força aí, já é alguma coisa saber que não estamos sós….kkkkk

  19. Cris disse:

    Mewwwww li uma novela repetida agora… kkkkkkkkkk
    Mas olha iss vai passar e infelizmente virão coisas piores… logo ele vai tentar falar, você NÃO vai entender e aí estarão num desentendimento total por algumas semanas…
    Depois quando ele falar direito e você for repreende-lo ele vai te chamar de chata… hohohohoho

    BJOUXXX nos 3.

  20. Sabe o que? Achei essa uma das fases mais dificeis, a coisa de comer fio de eletrecidade, lamber tomada, derrubar tudo. Rola uma total falta de foco, ne verdade? Foco, menino, foco!
    Eu tambem ficava sola com o rapaz, sem ajuda, sem familia, sem psiquiatra, sem saber o que fazer.
    Foi nesse momento que eu decidi que nos precisavamos que ele se ausentasse umas duas ou tres horinhas por dia. Creche-escola-bercario, chame como quiser. E eu recomecei, aos poucos, a fazer um dindin nessas horinhas de liberdade. Enfim, foi a melhor melhor melhor coisa que fiz.
    Acho que chega uma hora em que eles precisam sair de dentro do apartamento. E a gente precisa parar de chorar no corredor.

    • Também já percebi isso, Roberta. Tanto que já procuro por uma creche para que ele frequente uma vez por semana só.
      Um beijo e obrigada pelo comentário