Gravidez Nomes de Bebe Vida na Irlanda

He-Who-Must-Not-Be-Named

Não, esse não é um post sobre Lord Voldermort. É sobre o meu filho, o ser que atualmente vive na minha barriga, que não gosta quando eu espirro e está do tamanho de uma couve-flor. Mais especificamente, sobre o nome dele.

Meu filho tem nome escolhido. Aliás, nome, segundo nome (definitivamente assunto para um outro post) e sobrenome. Se você é novo por aqui pode conferir a história do nome nesse post.

Aqui no blog eu o chamo de E. Nem tanto para proteger a privacidade dele, mas para seguir um padrão que eu criei quando comecei a escrever em 2006. Aqui todo mundo a quem eu me refiro eu chamo pela inicial.

Por causa disso, algumas pessoas (amigos virtuais e reais) também se referem a ele como E. E só para deixar claro, eu não me importo quando o nome todo é usado.

A família toda no Brasil (e amigos) o chamam pelo nome e “Já tem nome?” é sempre uma das perguntas da lista de quem percebe que estou grávida (além de “quantos meses?”, “vai nascer aqui?” “é menino ou menina?”).

Ou melhor, na lista dos brasileiros que eu encontro. Se o idioma, a cor de pele, o tom de voz, e às vezes falta de noção, por si só não fossem suficientes, a pergunta “já tem nome?” seria indicativo da nacionalidade.

Irlandês não pergunta o nome (e diga-se de passagem, nem o sexo). E olha, não conheço poucos: a maioria das pessoas com quem eu trabalho (funcionários e alunos), toda a família de I., amigos e colegas de trabalho dele. Até hoje, ninguém demonstrou o menor interesse no nome do meu babóg.

Pois é, nem mesmo os avós paternos sabem o nome que escolhemos. Aliás, se sabem descobriram virtualmente. Nada difícil já que minha cunhada é amiga de FB e passa por aqui (mesmo sem falar português). Mas o fato é que eles nunca nos perguntaram e não se referem ao neto pelo nome.

Quando escrevi no blog que tínhamos feito a escolha, I. ficou meio chateado comigo. Achou que eu não deveria ter divulgado, que o nome tem que ser surpresa. Por essa razão, antes do Natal, a caminho de Killarney, achei melhor perguntar como deveria proceder caso alguém me perguntasse sobre o nome. A resposta dele? “Ninguém vai te perguntar nada”. Olha só que audácia!

Não é descaso ou falta de interesse, não. Muito menos superstição. Os irlandeses na verdade simplesmente respeitam o seu direito à privacidade. Partem do princípio que você pode não querer falar à respeito e para evitar constrangimentos, não perguntam.

Eu, também a fim de evitar constrangimentos, vou considerar a hipótese de cháma-lo até o nascimento simplesmente de You-Know-Who.

N.

p.s. tá vendo a ilustração aí em cima? Foi feita por I. (que coitado, assim como a minha família, acha que You-Know-Who vai ter os olhos dele), especialmente para ilustrar esse post.

18 Comments

39 anos; brasileira que mora na Irlanda; mãe de um filhote de irlandês do cabelo vermelho e muito fogo na bunda, de uma pimentinha de olhos grandes e curiosos e de uma caçulinha que é só sorrisos.

Previous Post
January 17, 2011
Next Post
January 17, 2011

18 Comments

  • Karina M.

    Nivea,

    É engraçado essa diferença cultural.
    Aqui no Brasil, se eu encontro alguém e essa pessoa não pergunta nada sobre o meu bebê, eu fico chateada. Confesso! rsrs
    Embora às vezes eu fale para o meu marido que gostaria de morar em outro país só pra ter mais privacidade, pois aqui é de costume invadir a vida alheia.
    Vai entender…
    Mas olha, gostei de saber desse costume que tem aí.
    Beijos de barriga pra barriga

    • nivea

      Karina,
      Eu tambem acho otimo que eles respeitem minha privacidade mas tb me chateio qd ninguem pergunta!
      Beijos,
      N.

  • Ana

    O problema, para mim, é que tem um pessoal no Brasil que não tem muito limite. Tipo, depois da vigésima vez que você diz que não quer saber o sexo, que não tem nenhum nome escolhido e que não, não sabe que dia vai nascer, começa a ficar chato. Principalmente quando 90% das vezes são as mesmas pessoas perguntando!

    • Ana

      Ooops, faltou o beijo! 😉

      • nivea

        Ana, sao chatos mesmo. Voce soube o sexo antes da sua Lily chegar?
        bjs

        • Ana

          Não soube não, Nivea. Surpresa total. E só escolhemos nome depois que vimos a carinha dela, Lily nem tava na lista. Mas teve gente que não acreditou, achou que a gente tava escondendo! hahaha
          Beijo!

  • ka smith

    Hahahaha
    Eu nunca me acostumei,
    meus sogros achavam estranho a gente se referir a Chloe, com nome e tudo, antes dela nascer, achavam muito íntimo quando na verdade a gente ainda não a conhecia, sem contar o fato de que viviam apontando a possibilidade da ultra estar errada e na hora nascer um menino! (oi?) enfim, coisas de gente européia que não gosta de socializar desde a barriga…

    • nivea

      Acho que a maior preocupacao do I. eh de que a gente mude de ideia. Mas e dai, ne?
      beijocas

  • Ernani

    Ráááa! Não sabia dessa. Ainda bem que nunca perguntei nada. Muito bom! Não vejo a hora de sair logo o nosso encontro com a Danda pra eu aproveitar e dar um abraço nesse Babóg sem nome…
    bjão

    • nivea

      Vou marcar e aviso vcs!! E pode perguntar sim, se brasileiro nao pergunta eu fico brava!! haha
      beijos

  • Cintia

    Gente, aqui do meu lado sempre perguntam TUDO. Os costumes devem mudar de lugar pra lugar aqui no UK. No trabalho, com a familia do marido… sempre eles querem saber o que ta rolando. Fora a cabelereira, o povo que conheco em festa/reuniao, etc… sempre perguntam sobre o sexo, o nome, onde a bebe vai nascer, due date… eu nao me incomodo. Adoro papear. Sou horrivel para guardar segredo de qualquer jeito… hehe. Beijos!

    • nivea

      Olha que coisa, Cintia! Eu podeira apostar que por ai seria a mesma coisa. Tb nao saberia guardar segredo nao.
      Ta chegando, ne?
      Beijos

  • Ms. Cherry

    A familia do M pergunta tudo. mas eu acho que é porque eu sempre dei liberdade! Nao sei… a familia dele nao é lá a mais stereotyped english family nao.

    qnto a divulgacao, eu nao ia dar conta! juro. ia ficar agoniada.

    beijo

    • nivea

      Ms. Cherry,
      A minha sogra, tb inglesa pergunta muita coisa mas ao mesmo tempo toma o maximo de cuidado para nao se meter demais.
      Um beijo

  • Ana Maria

    Incrível nossas diferenças culturais!! Brasileiro já pergunta o nome no primeiro dia…rsss….somos curiosos demais né!!!
    Mas tudo bem a partir de hoje somente E.
    beijos..e obrigada pela msg de aniversário…

    • nivea

      Aninha, pode dizer o nome sim! So nao deixa escapar pra eles.
      Um beijao

  • Vanessa Ribeiro

    Oi querida, primeiro queria dizer que adorei o teu blog e que caí aqui graças ao selinho que o I. desenhou para a blogagem coletiva. Achei demais!

    Segundo, eu tive o mesmo ‘problema’ que vc. Meu marido é belga e na Bélgica ninguém diz nome de bebê antes de nascer. Eu acabei soltando a pérola numa conversa entre amigas no Brasil e alguém publicou online e o Rémi ficou super chateado. Foi bem chato e eu me senti super mal. No fim mudamos o nome (nao por isso mas por outra razao bem engraçada) e nao dissemos nada pra ninguém. Foi muito melhor, já que o povo adora dar palpite e a gente acaba ficando super inseguro né?

    Ou seja, eu acho super legal continuar chamando ele de E.

    Beijos para os três,

    Van
    http://www.coisasminhas.com

    • nivea

      Oi Vanessa.
      Obrigada pela visita. Ja passei la no seu cantinho mas ainda volto pra ler mais.
      Beijos,
      N.

Leave a Reply

Related Posts